quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Votos de Esperança para o ano 2009

"Hope", um quadro muito polémico, de Klimt.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Natal encerrado

Joint Venture

Jeremy Hanks (@jeremyhanks on Twitter) analyzed Santa as an entrepreneur in his post called “Santa Claus: World’s Greatest Entrepreneur.”. I loved what he did so I crafted a venture-capital pitch for Santa to illustrate the kind of deal that venture capitalists would fund in today’s economic conditions.
Problem. Parents need a method to influence their non-compliant kids throughout the year. This is a universal problem beginning at approximately age three and continuing up to the teenage years.
Solution. Outsourced bribery via jolly old man who gives candy and toys to nice kids and lumps of coal to naughty ones.
Business Model. Revenue sharing with toy companies and candy companies, licensing image to retailers, and royalties from multiple movies, songs, and publications.
Underlying Magic. Ability to deliver toys to all the kids around the world in one night, make reindeer fly with near zero-carbon footprint, enter homes through chimneys, know what every kid wants, and know whether every kid has been naughty or nice. Zero support issues due to omniscience. Completely lead-free materials. Over fifty patents filed.
Marketing and Sales. Current SEO methods yield 15,700,000 hits in Google. Partnerships with toy manufacturers, candy companies, and retailers to increase Santa’s brand awareness for mutual benefits. Deep inroads into western literature. Creation of long-lasting brand awareness by working with grandparents. You can track market penetration in real time too.
Competition. Jesus or none, depending on your world view.
Team. Proven CEO with hundreds of years of experience. In addition, there are Mrs. Claus, non-unionized elves, and flying reindeer including one with a red nose. All work for free with no stock options. North Pole production facilities are also free.
Projections. Total addressable market of two billion children. Conservatively, 1% market share means twenty million children.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Uma história brilhante : BPP e BPN ?

Era uma vez um homem de negócios que apareceu numa aldeia e anunciou aos aldeões que estava interessado em comprar macacos por 10 Euros cada um. Os aldeões, vendo que haviam muitos macacos pelas redondezas, saíram para a floresta e começaram a apanhá-los. O homem comprou milhares de macacos a 10 Euros e, como a oferta começou a diminuir, os aldeões pararam os seus esforços. Então, o negociante anunciou que iria comprar mais macacos, agora por 20 Euros cada.
Esta decisão renovou os esforços dos aldeões que começaram a caçar macacos novamente. Em breve o fornecimento de macacos começaria a diminuir ainda mais, e as pessoas começaram a voltar às suas quintas. A oferta aumentou para 25 Euros cada e a quantidade de macacos ficou tão escassa que era um esforço para encontrar até mesmo um só! O homem anunciou então que iria comprar macacos a 50 Euros cada! No entanto, uma vez que ele tinha de ir para a cidade em negócios, o seu assistente iria comprá-los em seu nome.
Na ausência do homem, o assistente disse aos aldeões: "Olhem para todos estes macacos na jaula grande que o meu patrão já recolheu. Vou vender-vos cada um a 35 Euros e quando o patrão voltar da cidade, vocês podem revender-los ao meu patrão a 50 Euros cada um".
Os aldeões reuniram todas as suas economias e compraram todos os macacos por 700 mil milhões de euros.
Conclusão: os aldeões nunca mais viram nem o homem nem o seu assistente novamente. Apenas muitos e muitos macacos!
Agora você tens um melhor entendimento sobre o que aconteceu no nosso sistema bancário .... ?
Parece um Conto de Natal ...

segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Radiohead não pára de me surpreender

Carrega neste link : Radiohead

Mistura o teu próprio video, em 15 passos, usando streams codificados de 12 côres de um concerto no Japão. Regista e partilha com os futuros produtores e teus colegas, ou senta-se confortavelmente e usufrui das lindas côres...

"Time Ruines" de Andrzej Bachleda

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008


Kings of Leon

slip of the tonge

Horses = Cavalos
Hores = Prostitutas
A diferença que faz um "S"

Porque é que a galinha atravessou a estrada ?

Plato: For the greater good.
Aristotle: To fulfill its nature on the other side.
Karl Marx: It was a historical inevitability.
Machiavelli: So that its subjects will view it with admiration, as a chicken which has the daring and courage to boldly cross the road, but also with fear, for whom among them has the strength to contend with such a paragon of avian virtue? In such a manner is the princely chicken's dominion maintained.
Hippocrates: Because of an excess of light pink gooey stuff in its pancreas.
Jacques Derrida: Any number of contending discourses may be discovered within the act of the chicken crossing the road, and each interpretation is equally valid as the authorial intent can never be discerned, because structuralism is DEAD, DAMMIT, DEAD!
Thomas de Torquemada: Give me ten minutes with the chicken and I'll find out.
Timothy Leary: Because that's the only kind of trip the Establishment would let it take.Douglas Adams: Forty-two.
Nietzsche: Because if you gaze too long across the Road, the Road gazes also across you.
Oliver North: National Security was at stake.
B.F. Skinner: Because the external influences which had pervaded its sensorium from birth had caused it to develop in such a fashion that it would tend to cross roads, even while believing these actions to be of its own free will.
Carl Jung: The confluence of events in the cultural gestalt necessitated that individual chickens cross roads at this historical juncture, and therefore synchronicitously brought such occurrences into being.
Jean-Paul Sartre: In order to act in good faith and be true to itself, the chicken found it necessary to cross the road.
Ludwig Wittgenstein: The possibility of "crossing" was encoded into the objects "chicken" and "road", and circumstances came into being which caused the actualization of this potential occurrence.
Albert Einstein: Whether the chicken crossed the road or the road crossed the chicken depends upon your frame of reference.
Aristotle: To actualize its potential.
Buddha: If you ask this question, you deny your own chicken-nature.
Howard Cosell: It may very well have been one of the most astonishing events to grace the annals of history. An historic, unprecedented avian biped with the temerity to attempt such an herculean achievement formerly relegated to homo sapien pedestrians is truly a remarkable occurence.
Salvador Dali: The Fish.Darwin: It was the logical next step after coming down from the trees.
Emily Dickinson: Because it could not stop for death.
Epicurus: For fun.
Ralph Waldo Emerson: It didn't cross the road; it transcended it.
Johann Wolfgang von Goethe: The eternal hen-principle made it do it.
Ernest Hemingway: To die. In the rain.Werner Heisenberg: We are not sure which side of the road the chicken was on, but it was moving very fast.
David Hume: Out of custom and habit.
Saddam Hussein: This was an unprovoked act of rebellion and we were quite justified in dropping 50 tons of nerve gas on it.
Jack Nicholson: 'Cause it (censored) wanted to. That's the (censored) reason.Pyrrho the Skeptic: What road?
Ronald Reagan: Well,...................
The Sphinx: You tell me.
Henry David Thoreau: To live deliberately ... and suck all the marrow out of life.
Mark Twain: The news of its crossing has been greatly exaggerated.
Mishima: For the beauty of it. The chicken's extension of its sinuous legs sent shivers of a dark despair into the souls not only of the silently watching hens but also the roosters, who felt a sudden sexual desire for their exquisite comrade. The dark courage of the chicken was as beautiful as drops of dew upon jade at midnight, struck by a partial moon, its light filtered through clouds. One of the deeply aroused roosters could stand the intensity of the moment no more and bit off the head of the beautiful, courageous chicken-hero, whose wine blood was deliciously drunken by the road, and he died.
Johnny Cochran: The chicken didn't cross the road. Some chicken-hating, genocidal, lying public official moved the road right under the chicken's feet while he was practicing his golf swing and thinking about his family.
Camus: The chicken's mother had just died. But this did not really upset him, as any number of witnesses can attest. In fact, he crossed just because the sun got in his eyes.
Fresquinha: Porque a galinha não olha de frente !

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

A gracinha fácil

Também há para maridos ?

Nathan 'Flutebox' Lee

Entender o nosso corpo

O corpo deve funcionar correctamente, perfeitamente. Isso é uma arte, não é uma austeridade. Não deve lutar com ele. O que você precisa simplesmente é de o compreender.

O corpo é tão sábio... mais sábio do que sua mente, lembre-se, porque o corpo tem existido por mais tempo do que a mente. A mente é uma recém chegada, apenas uma criança.O corpo é muito antigo, muito antigo, porque quando você se movia como uma rocha, o corpo estava lá, a mente estava profundamente adormecida. E quando você se tornou uma árvore, o corpo estava lá, com toda a sua verdura e as suas flores. A mente permanecia profundamente adormecida; não tão adormecida como na rocha, mas ainda adormecida.

Você tornou-se um animal, um tigre; o corpo estava tão vivo e cheio de energia, e todavia a mente ainda não estava a funcionar. Você se tornou um pássaro, você se tornou um homem... O corpo tem estado a funcionar por milhões de anos.

O corpo acumulou muita sabedoria, o corpo é muito sábio. Assim, se você come demais o corpo diz-lhe, Páre!

A mente não é tão sábia. A mente diz, "Sabe-me bem" e pouco mais. E se você escutar a mente, então a mente torna-se a destruidora do corpo, de uma ou de outra maneira. Se escutar a sua mente, primeiro ela dirá, "Continue a comer ". Porque a mente é tola, infantil. Ela não sabe o que diz. Ela é recém chegada; não possui nenhum conhecimento de si própria.

Escute o corpo. Quando o corpo disser, "Fome", coma. Quando o corpo disser, "Páre", então páre. Se você escutar a mente, é como se uma criança pequena estivesse conduzindo um idoso : ambos cairão num buraco.

Se você der atenção à mente então, primeiro você estará focado nos sentidos e por isso irá ter problemas. Cada sentido lhe trará miséria e cada sentido lhe trará mais ansiedade, mais conflito e mais sofrimento.

Se você comer demais haverá sofrimento e você irá vomitar; o corpo fica todo perturbado. Então a mente diz, "Comer é mau para si", então faça jejum. Mas o jejum também é perigoso. Se você der atenção ao corpo ele nunca comerá demais, ele nunca comerá pouco; ele irá simplesmente seguir o Tao.

Alguns cientistas estão a trabalhar neste problema e descobriram um fenómeno muito interessante: as crianças comem sempre quando sentem fome, elas vão dormir sempre que teem sono. Elas escutam o corpo delas. Os pais, porém, as perturbam, e forçam: "É hora de jantar, ou de almoçar, ou é hora disto e daquilo, ou é hora de dormir, vá! "

Contudo um pesquisador tentou deixar as crianças decidir por si mesmas. Trabalhou com vinte e cinco crianças. Elas não eram forçadas a dormir, e não eram forçadas a se levantarem. Elas não foram forçadas de maneira nenhuma por seis meses. E surgiu uma profunda compreensão. Elas dormiam bem. Elas sonhavam menos, sem pesadelos, porque pesadelos vinham através dos pais que as estavam forçando. Elas comiam bem, mas nunca demais e nunca menos do que o necessário, nem mais do que o necessário. Elas gostavam de comer e às vezes, elas não comiam de modo nenhum. Quando o corpo não sentia vontade, elas não comiam e nunca adoeceram por causa disso.

Mas uma coisa que nunca ninguém suspeitou veio a ser compreendido, e isso foi milagroso. Somente Sosan pode compreender, ou Lau Tsu ou Chuang Tsu devido a serem mestres do Tão. Foi uma verdadeira descoberta!

Eles compreenderam que se uma criança estivesse doente, ela não comia certos alimentos. Assim eles tentaram entender porque é que ela não comia esses alimentos. Os alimentos foram analisados e foi descoberto que esses alimentos eram perigosos para aquela doença específica. Como é que a criança decidiu? Apenas o corpo decidiu ...

Enquanto a criança crescia, ela comia tudo o que era necessário para o seu crescimento. Analisaram a comida e descobriram que esses ingredientes ajudavam o seu crescimento. O alimento podia variar porque as necessidades mudam. Um dia a criança poderia comer algo e a mesma criança no outro dia comeria outra coisa.

E os cientistas perceberam que existe uma sabedoria corporal. Se você permite ao corpo dizer o que ele sente, você está a ir pelo caminho certo, o grande caminho. E isso é assim não somente com os alimentos, isso é assim com toda a vida. O seu sexo dá errado por causa da sua mente, o seu estômago tem problemas devido à sua mente. Você interfere com o corpo. Não interfira! Mesmo se você puder fazer isso por três meses, não interfira.

Subitamente você ficará tão saudável, e sentirá um bem estar por isso.Tudo parece óptimo, as peças do puzzle ajustam-se. Mas a mente é o problema. Se você escutar os seus sentidos você se torna simples.

O ser humano é um milagre sobre este planeta muito pequeno, minúsculo até comparativamente a outros planetas ! O sol é sessenta mil vezes maior do que esta terra, e esse sol é medíocre. Existem estrelas dois milhões de vezes maiores do que ela, e existem milhões de sois e milhões de mundos e de universos. Até agora parece que, até onde a ciência alcança, essa vida e essa consciência só aconteceu aqui nesta terra. Esta terra é abençoada.

Você não sabe o que você alcançou. Se você perceber o que você alcançou, você será simplesmente grato e não pedirá mais coisa alguma. Você podia ter sido uma pedra e não teria outro remédio senão aceitar. Você é um ser humano! e está a sofrer, e está preocupado, e está a perder o sentido da vida. Disfrute deste momento porque ele não tornará a vir novamente.

Os Hindus acreditam que você pode novamente ser uma pedra. Se você não disfrutar e não crescer, você irá cair. Você poder-se-à tornar a ser um animal novamente. Esse é o significado: lembre-se sempre que neste clima de consciência há um pico: se você não disfrutar nem se integrar, você irá cair.

Gurdjieff costumava dizer que você ainda não possui uma alma; a vida é sómente uma oportunidade para alcançá-la, para se tornar uma. Não desperdice tempo e energia, porque se você morrer não cristalizado você simplesmente desaparece. E quem sabe quando uma oportunidade surgirá novamente ? Ninguém pode saber, como não há ninguém que possa dizer o contrário. Apenas isso pode ser dito: que neste momento a oportunidade está presente para si.

Lembre-se que nada mais é necessário do que estar agradecido. Tudo que você já tem, é muito, e já é o sufieciente para se sentir grato e agradecido. Não peça mais da Existência. Simplesmente disfrute do que já lhe foi dado.

E quanto mais você disfruta, mais lhe será dado.
Jesus diz, numa frase muito paradoxal: Se você tem muito, mais lhe será dado, e se você nada tem, até o que você tem lhe será tirado. Parece ser absurdo. Que tipo de matemática é essa? Quanto mais você tem, mais lhe será dado; e se você não tem nada até o que você tem lhe será tirado!
Parece ser para os ricos e contra os pobres.Isto não tem relação com a economia ordinária; esta é a suprema economia da vida.

Somente aqueles que possuem terão mais porque quanto mais eles disfrutam dela, mais ela cresce. A vida cresce através do usufruto.

Seja alegre, agradecido pelo você tem. O que quer que seja ! Aquele que não está agradecido, perderá tudo o que tem. Aquele que é grato, terá a ajuda de toda a Existência, que o ajuda a crescer mais porque ele merece e ele está realizando o que tem.
Osho, Extraído de: Hsin Hsin Ming

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Ora nem mais

Unless it is mad, passionate, extraordinary love, it’s a waste of time. There are too many mediocre things in life—love should not be one of them.
A menos que seja louco, arrebatador e extraordinário, o amor é um desperdício de tempo.
Há demasiadas coisas medíocres na vida para que o amor seja uma delas.

What ?

La Niña de Fuego de Concha Buika

Concha Buika é uma das mais interessantes e surpreendentes vozes espanholas dos últimos tempos que mistura influências e estilos musicais mantendo a autenticidade que a caracteriza.
16 Dez 2008 - 21:00
Nascida em Palma de Maiorca, onde se estabeleceu a sua família originária da Guiné Equatorial, foi nesta cidade espanhola que Concha Buika se iniciou no mundo da música, cantando em clubes de jazz e em bares. Mudou-se entretanto para Madrid e em 2005 lançou “Buika”, o seu primeiro trabalho, que obteve já alguma visibilidade. No entanto, foi com o seu segundo álbum “Mi Niña Lola”, que a cantora alcançou finalmente o reconhecimento internacional, arrecadando prémios e participando em grandes festivais, onde deixou a crítica e o público rendidos. O público português familiarizou-se com Concha Buika depois da participação da cantora em “Terra”, o mais recente trabalho de Mariza que a descreve como “uma voz única, muito, muito especial e que eu admiro bastante e que faz parte das minhas vozes preferidas”. Tão à vontade como se estivesse em casa e sempre com um sorriso no rosto, Concha Buika apresenta agora o seu terceiro álbum “Niña de Fuego”, um trabalho em que visita novamente a música popular espanhola com as coplas e viaja pela primeira vez até ao México e à ranchera, cantando ainda temas inéditos compostos por ela mesma e pelo produtor Javier Limón.
The New York Times, “A dark steel-wool voice and great rhythmicflexibility”.


Entender Gaia

A superfície da terra possui cicatrizes que são testemunhas de grandes acontecimentos históricos. Lindos oceanos, rios e lagos desapareceram, ou foram soterrados, como consequência da devastação maciça e indiscriminada. Assim, os desertos estendem-se, expostos e causticantes, incapazes de mascarar a deturpação que transformou recursos virgens e verdejantes em areia seca.

A história também deixou cicatrizes onde as guerras alteraram o curso dos acontecimentos e onde agora existem monumentos no lugar de homens. As catástrofes naturais fazem parte da evolução do planeta e ajudam a modelar a história.

Entretanto, muitos eventos não naturais causaram efeitos catastróficos sobre alguns movimentos da terra e alteraram significativamente o curso da história. Acontecimentos associados às condições económicas, por exemplo, são atribuídos tanto a causas naturais como a não naturais, e a história as registrará como polaridades, ou seja, os extremos da mesma coisa.

O sistema solar, do qual a terra faz parte, está pulsando na direcção de uma luz de grandeza diferente, alterando tudo e estimulando um salto evolucional, processo natural dentro do grande esquema de tempo, sob o qual os universos são medidos. Essa nova luz que estão prestes a vivenciar é de ordem cósmica, e apesar de não a conseguirem ver, a terra foi temporariamente envolta em sombras. A terra emergirá desta pálida condição, como sempre o fez, e a luz que havia turvado a visão límpida de um futuro iluminado voltará, abrindo os olhos de todos, mesmo daqueles que não a podem ver fisicamente. A terra é parte de um vasto sistema solar, poderoso e de difícil sondagem.

Os mercados económicos mundiais e as suas moedas fazem parte de um grande sistema também, vasto em extensão, inimaginável em poder e difícil de sondar. As marés dos oceanos sobem e descem inevitavelmente, e assim os líderes mundiais, as moedas e os mercados econômicos. O ritmo natural é perfeito, e relacionado com algo maior que apenas o momento actual.

Por outro lado, as moedas e os mercados são instrumentos artificiais e podem ser controlados (ou deixados de ser controlados) mais facilmente. Eles também seguem o ritmo perfeitamente compassado e pontuado por algo nunca visto. Gostaria que entendessem que essas forças, mesmo as naturais, podem ser influenciadas ou controladas até certo nível. Assim como a serpente que pode ser domesticada e hipnotizada mesmo enquanto uma multidão a observa.

O mesmo acontece com o mercado mundial neste momento, ele foi manipulado ao ponto de fazer muitos bens desaparecerem no ar. Mas nem todos os bens desapareceram, principalmente as fortunas daqueles que entendem como o sistema funciona.

O homem moderno acredita que, assim como seu destino, ele também controla sua riqueza, porém isso é parcialmente verdade. Existem sistemas, dos quais o homem faz parte, que exercem grande influência no mundo, e como o homem faz parte desse mundo, ele tanto participa como influencia tais sistemas.

Os sistemas bancário e financeiro em uso estão passando por uma crise orquestrada, uma queda organizada e cuidadosamente articulada que irá repaginar o mundo e aqueles que o governam. O homem controla uma parte do seu mundo, mas o mundo também o controla. O dinheiro que manipulam não lhes pertence, é emprestado. A casa que possuem lhes é concedida sob condições acima do seu controle. O homem não é soberano.

O homem moderno vive sob o mesmo sistema arcaico e esse sistema vive dentro dele. Existe algum modo de modificar isso? Sim, mas a humanidade precisa emergir da própria sombra. Não há como seguir um caminho de luz sem primeiro descobrir a luz dentro de si mesmo. As causas para o declínio da economia são tanto naturais como não.

As leis universais que controlam o ritmo das marés são as mesmas que asseguram que o pêndulo da fortuna controle o fluxo da riqueza. É a natureza fazendo o seu trabalho, como acontece com as estações, uma depois da outra infalivelmente, repousando e se preparando para um novo amanhecer. O oceano tem um fundo, às vezes de difícil estimativa devido à profundidade, mas que está lá servindo de suporte para tudo o que comporta.

A economia não tem tanta sorte assim. Sem uma base firme, é levada ao sabor das marés. Pelo menos por um tempo a economia continuará nessa marcha, e enquanto isso, é difícil construir um barco forte e rápido o suficiente para enganar as correntes. As marés arrastam muita coisa consigo, e o momento económico assemelha-se a isso de muitas formas.

As marés também devolvem itens perdidos ou relíquias esquecidas num passado distante. Assim, verdades cuidadosamente escondidas poderão emergir em momentos e lugares menos esperados. Poderão expor alguns jogadores ou peões do sistema, porém, os senhores e mestres do jogo dar-se-ão ao luxo de sacrificar muitos peões e ainda assim proteger suas fortalezas tão bem construídas.

O homem moderno precisa encarar as suas finanças e obrigações de maneira mais séria, e quem sabe assim chegar à conclusão de que ele é tanto um participante como observador desse jogo. Para alguns é melhor viver num mundo da ilusão do que encarar a realidade na terra. Como já mencionado, a economia global continuará navegando por mares de mudança e incerteza.

Líderes eleitos procurarão conselhos de especialistas e participarão de reuniões de apoio e de fortalecimento global com outros líderes mundiais. Da mesma forma que as cartas precisam ser baralhadas de tempo a tempo, haverá grandes mudanças na distribuição das riquezas que fará com que diferentes países se sobressaiam e outros encolham.

Nenhuma moeda corrente vale tanto quanto valia. Não valem tanto porque não estão lastreadas com algo de valor. A riqueza de algumas nações deixou de ser controlada por elas mesmas, e em alguns casos transferida para outros países ou para grandes conglomerados empresariais. Empresas que se misturaram em alianças torpes podem, em alguns mercados, emergir como heróis para salvaguardar governos da sua própria volatilidade.

Onde há fumaça há fogo, mas o medo do incêndio é maior. Algumas empresas serão vistas como estabilizadoras para os mercados e aproveitarão essa soberania. As empresas de grande penetração em diferentes países serão protegidas por leis internacionais assim como as embaixadas e os seus outorgantes são protegidos hoje.

Alguns países negligenciarão obrigações básicas e ficarão apenas observando, enquanto que a sua soberania é comprada ou anexada a outros países cujos recursos “em jogo” são maiores que os seus próprios. Alianças de negócios entre países se expandirão para outras áreas, pois os recursos serão barganhados em nome do fortalecimento dos posicionamentos globais.

Há muito tempo atrás, os homens disputavam as rotas de comércio e a descoberta de novos continentes em nome das corôas que representavam. Hoje, as corôas estão fora de moda e a maioria das terras teem posse. Os seus recursos foram convertidos em dinheiro ou financiamento de dívidas. Uma economia não pode crescer a não ser que haja mais espaço, e devido à actual distribuição isso é praticamente impossível, o que transforma novos recursos em necessidade.

A terra não possui novos recursos não detectados. Alguns deles estavam escondidos embaixo do gelo, perto dos pólos. Mas com o derretimento polar, já há planos de como e quando explorar tais recursos. Muitos países já enviaram missões exploratórias e iniciaram um processo de requerimento de direito sobre eles. Já há uma variedade de bandeiras fincadas no solo oceânico aguardando reconhecimento. Mas não existem precedentes pela reivindicação da posse do “gelo” ou do que potencialmente existe embaixo dele, mas algumas cabeças políticas já se preparam para competir por isso.

Pressupõe-se que nessa região haja recursos como gás e petróleo, mas haverá outras surpresas nessas áreas. Porém, nem todos os países ou economias terão acesso a esses recursos inexplorados e sabem que para descobrir um mundo novo é preciso quebrar barreiras e correr riscos inimagináveis. Os que não encontraram seus tesouros no fundo do oceano se voltarão para o espaço.

Muitos países, até aqueles não considerados “jogadores” na corrida pelo espaço, já lá estão.
Deixem de lado o conceito sobre missões exploratórias ao espaço e a planetas adjacentes e pensem na exploração desses novos e lucrativos recursos sobre a superfície da Lua ou Marte. É bem possível que contratos de exploração já estejam sendo articulados entre governos e o sector privado para transporte desses recursos, alojamento dos trabalhadores e outras coisas mais.

Algumas pessoas que recentemente perderam a confiança e o interesse no mercado de acções e das commodities ficarão estimuladas a investir nesse novo mercado espacial. Enquanto alguns se esforçam para proteger a sua riqueza aqui na Terra, outros estão projectando a sua futura fortuna e fincando suas bandeiras noutro lugar. “O céu é o limite” deixou de ser apenas um ditado.

Esse assunto poderia ser discorrido com maior profundidade, mas não é essa a nossa intenção de hoje. Os mercados e as moedas da Terra permanecerão voláteis e será difícil até para as mentes económicas mais brilhantes preconizar o futuro.

Não é um campo para amadores e os que estão acostumados com o jogo sabem disso. Quem não souber fazer o jogo, sairá queimado do processo.

À medida que as alianças entre os países progridem, haverá menos necessidade de diferentes moedas. O dinheiro em papel será cada vez mais desnecessário e por isso menos disponível. Novas formas de lidar com os créditos e débitos logo aparecerão. Como sempre acontece, haverá resistências a princípio. Mas com o aprofundamento da volatilidade, combinado aos muitos incentivos de consumo e uma campanha de confiança pública sem precedentes, transformará as novas escolhas num sucesso.

O mercado mundial de acções será totalmente renovado e revisto. Terá outro nome e será administrado de maneira diferente. Nem todas as empresas poderão emitir acções. As entidades de investimento privado representarão quem não pode participar em operações de grande monta.

Riscos maiores, como sempre, implicarão lucros maiores. O mercado ilegal será alinhado com o legal, em moldes que se assemelham hoje ao das apostas online. A bolsa de mercadorias continuará a atrair os investidores. O futuro de muitas commodities, incluindo as de produção agrícola, também será incerto.

Será um bom investimento para quem tem “estômago” para isso. Novas fontes de alimentos de origem natural e industrializados chamarão à atenção.

A queda da média de saúde dos indivíduos fará do mercado de suplementos um dos mais lucrativos, especialmente para casos em que a comunidade médica não conseguir diagnosticar ou curar. A relação entre os sistemas bióticos e abióticos será melhor entendido quando novas técnicas de manutenção e reconstrução de ecossistemas à beira da falência forem reveladas. As pessoas que lucram com a degradação desses sistemas continuarão a beneficiar com isso.

A evolução da consciência, quando muitos estão envolvidos, é lenta e a nova aurora distante. Muitos correrão atrás de comida e outros de dinheiro. Para ambos o custo de vida será alto. A fome e a sede vão se agravar, em particular para os países em desenvolvimento. Os países ricos tão pouco conseguirão abastecer toda a gente. Os que vivem abaixo da linha da pobreza permanecerão na miséria até se elevarem e pedirem ao seu Deus interior. Não encontrarão ajuda sem buscá-Lo.

As economias locais e global irão prosperar, se conseguirem encontrar uma base comum. A necessidade de todos deve ser considerada para não haver brechas e chances ao azar. As comunidades de economia aberta dar-se-ão melhor que as comunidades fechadas ao longo do tempo, mas não será a primeira escolha de muitos ao princípio.

O armazenamento de comida e outros recursos irá aplacar o físico, mas não o coração. Os corações alcançarão a terra de abundância, após cruzarem os desertos do medo e da escassez, pois o deserto abranda a fome com coragem e resistência. A falta de criatividade e de visão é o primeiro veneno. O medo o segundo e a ambição o terceiro. Certamente o futuro trará outros tipos. Mas para cada veneno, há um antídoto. É preciso primeiro identificá-lo e depois administrar a dose certa. Gostem ou não, a terra está se transformando mais rápidamente do que alguns imaginavam.

A humanidade precisa urgentemente de se reavaliar e de recriar-se criativamente ou o futuro pertencerá à próxima raça humana. A evolução é para todos, e todos são capazes de alcançá-la. Os antigos conceitos sob os quais a humanidade viveu ainda se aplicam, mas não por muito mais tempo.

É tempo de viver um novo sonho, pois os velhos são de um tempo que está se erodindo debaixo dos pés dos que insistem em agarrar-se a ele. As economias que valorizam a vida entrarão em equilíbrio mais rapidamente.

Não haverá nenhum valor herdado em dinheiro. Por isso a moeda sobe e desce e por isso o poder traz a felicidade temporária. A riqueza de uma nação recai sobre seus recursos naturais do qual a humanidade faz parte. Até, e somente, quando a vida humana e a vida em geral forem valorizadas com mais generosidade o mundo encontrará seu equilíbrio natural.

Antes dos céus caírem e tocarem a terra houve um som que lembra o silêncio. Aqueles que adentram ao silêncio se vêem no sonho da própria realização. O véu pálido que encobre esse sonho agora esvanece-se sinalizando que é tempo de viver um novo sonho. Esse mundo nada mais é que um sonho encantado, que vem a ser o céu na terra.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2008