domingo, 7 de junho de 2009

sábado, 6 de junho de 2009

Humor Negro

Step by step

So, you're in love with one of your friends, but she has a boyfriend and probably wouldn't have sex with you anyway.
What you will need: 1 x knife, 1 x ring, access to a sunbed, the ability to grow a beard.
Step One: Place the ring on your wedding finger and avoid contact with your friend for a month.
Step Two: Stop shaving and use the sunbed to gain a tan.
Step Three: After a month when your beard is full and your tan is noticeable, remove the ring from your finger.
Step Four: Remove all your clothes and break into your friend's house.
Step Five: Use the knife to cut your body in various places. Avoid the face. If possible, focus on your back. The more blood the better.
Step Six: Enter your friend's bedroom and lie face down on the floor. Wait for her return.
Step Seven: When she enters the room pretend to be unconscious. Allow her to turn you over and try to wake you for a few seconds before you open your eyes. The injuries to your body will serve as a distraction to your nakedness. She will be more concerned about your wellbeing instead of fearing the naked man in her room.
Step Eight: When she asks you what's happened you should ignore her questions. Instead you must act confused and ask the date. If it's September 15th she will say 'September 15th' to which you must reply 'No, what year is it?'
Step Nine: Upon hearing the year say the words 'It worked.' Pretend to lose consciousness again for a few seconds, implying that whatever it is that has worked took a great effort.
Step Ten: If your friend is a curious person she will probably ask 'What worked?', even if she doesn't ask this question it is important that you now say the words '(Insert Friend's Name), I'm from the future' in your most deadpan voice.
Step Eleven: Pause for ten seconds to allow the incrediblness of the situation to sink in. There will be no reason for her to doubt your claim, because your beard will make you appear many years older and your cuts would add weight to the idea that you've come from a post-apocalyptic future where a war is currently taking place.
Step Twelve: Raise your left hand to your face. All women are very observant, so your friend will immediately notice the tanline on your wedding finger. If she is educated to a decent standard she will realise that you are married and your ring has simply disappeared, because clothing and other items cannot travel through time. Your nudity will support this.
Step Thirteen: Now comes the hard part - The monologue. In your own words you must give a speech in which you mention all of these key points:a) You are married to each other in the futureb) Her current boyfriend is deadc) The world is coming to an end. It's up to you to pick a reason, but I would recommend a war against machines. This whole situation will be backed up by the Terminator franchised) In the future your relationship is not going welle) You've come back in time because you can't help but feel that she would have been happier with her current boyfriend if he hadn't been killedf) Her current boyfriend is going to be hit by a bus on a day six months from her present. She should stop him going to work that dayg) If she does exactly what you say this current version of yourself will be erased and you will never get married. If she questions this flaw in your time travel logic, because you cannot change the past, simply reference Back to the Future
Step Fourteen: Unless your friend is made of stone she will now be overcome by emotion, especially at your selflessness. Get to your feet and go to kiss her goodbye. It is important that you do this with the confidence of a man who has done this to her many times.
Step Fifteen: There is now no possible way that you aren't about to have sex with her. You're naked, kissing her, in her bedroom, agreeing to erase a version of yourself from history to make her happy. And as far as she knows you've had sex many times in a future that will no longer happen, so she thinks to herself that maybe she should have one memory of it.
Step Sixteen: After having the sex, ask to borrow some clothes then leave.
Step Seventeen: Shave off your beard and coat your wedding finger in fake tan. Carry on as if nothing has happened.
There will be three possible outcomes:
1) During the sex some feelings that she didn't know existed are awakened and she will leave her boyfriend for you.
2) Life will carry on as normal.
3) You will be filled with guilt because of this moral grey area where you aren't entirely sure if what you've done counts as some kind of low level rape. You will take your own life by hanging, overdose or wrist cutting.

segunda-feira, 1 de junho de 2009

domingo, 31 de maio de 2009

Eugénio Recuenco

Marcel Marceau

Gabriel Pacheco

-Me parece que le conozco a usted.
-No recuerdo haberle encontrado antes.
-¿De dónde viene usted?
-He dejado tantas veces el mismo lugarque tengo la impresión, ahora, de no ser de ningún sitio...
-...pero habla usted una lengua muy concreta.
La lengua de un país reconocible. El mío.
Edmond Jabès
Recogemos los sueños y quedamos embrujados.


"Esperança é o sonho da alma desperta"
(Provérbio Francês)


sexta-feira, 29 de maio de 2009

The Colouring from Dan Britt on Vimeo.

Europride - Pufff

As Mãos

Hands are so impossibly useful it’s hard to believe they’re real. I’ll let Steven Pinker take this one over for me:
‘Nearly two thousand years ago, the Greek physician Galen pointed out the exquisite natural engineering behind the human hand. It is a single tool that manipulates objects of an astonishing range of sizes, shapes, and weights, from a log to a millet seed. “Man handles them all,” Galen noted, “as well as if his hands had been made for the sake of each one of them alone.” The hand can be configured into a hook grip (to lift a pail), a scissors grip (to hold a cigarette), a five-jaw chuck (to lift a coaster), a three-jaw chuck (to hold a pencil), a two-jaw pad-to-pad chuck (to thread a needle), a two-jaw pad-to-side chuck (to turn a key), a squeeze grip (to hold a hammer), a disc grip (to open a jar), and a spherical grip (to hold a ball). Each grip needs a precise combination of muscle tensions that mold the hand into the right shape and keep it there as the load tries to bend it back. Think of lifting a milk carton. Too loose a grasp, and you drop it; too tight, and you crush it; and with some gentle rocking, you can even use the tugging on your fingertips as a gauge of how much milk is inside!’

quinta-feira, 28 de maio de 2009

“Tension is who you think you should be.
Relaxation is who you are.”
Provérbio Chinês

Permite-te mudar de opinião

Não procures ser sempre coerente. Afinal, São Paulo disse que “a sabedoria do mundo é loucura diante de Deus”.
Ser coerente é usar sempre a gravata combinando com as meias. É seres obrigado a teres, amanhã, as mesmas opiniões que tinha hoje. E o movimento do mundo - onde está ?
Desde que não prejudiques ninguém, muda de opinião de vez em quando, e cai em contradição sem te envergonhares disso.
Tens este direito. Não importa o que os outros pensam - porque eles vão pensar de qualquer maneira.
Por isso, relaxa. Deixa o Universo movimentar-se à tua volta, e descubre a alegria de seres uma surpresa para ti mesmo.
“Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios”, diz São Paulo.

quarta-feira, 27 de maio de 2009

segunda-feira, 25 de maio de 2009

sexta-feira, 22 de maio de 2009

quinta-feira, 14 de maio de 2009

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Mudanças na linha do tempo

«Está ocorrendo algo que causará uma mudança nas linhas de tempo que vocês percebem e, sim, isto se manifestará de tal forma que o tempo parecerá passar mais depressa ainda. Quanto mais se aproximarem de 2012, mais rápido o seu tempo se moverá, pois esse será o “final dos tempos”, por assim dizer, o fim de uma linha de tempo específica. Isto não quer dizer que o seu mundo terminará; será o final de uma era que dará lugar ao nascimento de uma nova consciência. E é isto que os motiva e inspira a continuarem na senda do despertar e a se tornarem seres autênticos, aqueles que se mantêm na verdade de tudo o que é verdadeiro.»

o último desejo

reagir ao desemprego : Cards of Change

There's more talent out on the streets than ever before. Brilliant people looking to reshape their country, build their career and perhaps even grow your business. Cardsofchange is a place where the glass is always half-full. A destination where all the bad news of the day takes a back seat to stories of individual success.Our mission is to collect as many business cards and stories of positive change of people who have recently been laid off and connect them with new opportunities from potential employers, business partners and people who make the effort to look on the bright side of life.

terça-feira, 12 de maio de 2009

segunda-feira, 11 de maio de 2009

domingo, 10 de maio de 2009

O Coleccionador

The Collector from john douglas powers on Vimeo.

as comidas de hospital

Tão parecidas com as nossas ... se puderes, manda fotografias de comida servidas nos hospitais Portugueses, para aqui.

Audições para François Truffaut: Jean-Pierre Léaud

Retrospectiva de Jean-Pierre Léaud

sábado, 9 de maio de 2009

sexta-feira, 8 de maio de 2009

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Mara Sicca

Um dia ímpar acontece apenas 6 vezes durante 1 século

7 de Maio de 2009, segundo os Americanos

Neville Trickett, criador e director artístico Sul Africano pratica no seu blog uma arte incrível : à maneira de um naturalista louco que não seria nunca capaz de distinguir entre formas naturais e formas criadas por seres humanos, ele classifica, compara, estabelece séries e sub-grupos, salientando os itens que ninguém teria pensado para fazer. A beleza sistemática.


De de nah

De de nah

There's a cold fire,

there's a crossfire,

and there's something inside.


and we'll never, never

make it,

and we'll never, never

break it.

until, until.

there's a long game,

that's a wrong chain.

and it's something,

we all hide it


and we'll never, never make it,

and we'll never,

never break it.

until we learn to see,

until we set free.

and you got style,

and you got grace,

and you got the means

to leave that place.

but you'll never, never make it,

and you'll never, never break it.

until you learn to see,

until you set free.

so set free,

set free.

set free,

set free.

De de dum

de de de

De de dum

de de defree,


set free.

if we could see that this was all that we need,

inside our minds,

bodies and souls.

we wouldn't run and we would let go,

cause we'd realize

that we had,

that we had no control.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Winnie the Pooh e o porquinho engripado

As escolas matam a criatividade ?

o Tempo

«O tempo é o lenço de toda a lágrima»
"Venenos de Deus, Remédios do Diabo" (Mia Couto)

terça-feira, 5 de maio de 2009

Boas notícias do Ministério da Educação

«A Fundação Casa Índigo, projecto de Tereza Guerra e Alain Aubry, foi registada como IPSS pelo Ministério da Educação em 11 de Outubro de 2008 e tem nos seus estatutos definido que se abstêm de “toda e qualquer actividade política ou religiosa”. É um projecto destinado ao estudo, esclarecimento e desenvolvimento de actividades de apoio a crianças e jovens de todo o tipo e características, incluindo crianças índigo, cristal, crianças dotadas, sobredotadas, super psíquicas, entre muitas designações e jovens que se identifiquem com estas energias do Novo Tempo...»
Ler mais
O que é uma criança Índigo e porque a designamos assim?

Primeiramente a definição : é uma criança que demonstra uma série de atributos psicológicos novos e pouco usuais com um padrão de comportamento nunca documentado até agora. Este padrão de comportamento tem factores comuns únicos que sugerem a quem se relaciona com as crianças (os pais em especial), que devem mudar a forma como os tratam e criá-los para poderem ter um equilíbrio adequado.

Ignorar estes novos padrões de comportamento é criar um desequilíbrio potencial e uma grande frustração na cabeça destas preciosas vidas. O tema deste capítulo é identificar, qualificar e validar os atributos de uma Criança Índigo.
Parece haver diversas categorias de Crianças Índigo, que vamos descrever adiante, mas vamos dar um dos padrões de comportamento mais importantes para poder ver se alguém do seu conhecimento encaixa nestes padrões?
Estas são as 10 das características mais comuns da Criança Índigo:

1. Vêm ao mundo com um sentimento de realeza (e frequentemente comportam-se como tal).
2. Têm a sensação de “merecer estar aqui” e surpreendem-se quando outros não compartilham esta mesma sensação.
3. A auto-estima não é, para elas, um grande tema de preocupação; com frequência dizem aos pais quem elas são).
4. Têm dificuldade em aceitar uma autoridade absoluta (sem explicação ou sem alternativas).
5. Pura e simplesmente não farão certas coisas, por exemplo: custa-lhes esperar numa fila.
6. Frustram-se com sistemas que são apenas rituais e que não requerem criatividade.

7. Muitas vezes têm formas melhores de fazer as coisas tanto em casa como na escola, o que os torna rebeldes e desintegrados de qualquer sistema.

8. Parecem muito anti-sociais, a menos que se encontrem entre crianças semelhantes. Se não houver outros com o mesmo nível de consciência tornam-se retraídos, sentindo que não há seres humanos que os entendam. A escola é o local onde lhes é muito difícil socializar.

9. Não respondem à disciplina de “culpa” (Espera que o teu pai chegue a casa e veja o que fizeste).

10. São tímidos em expressar o que precisam.


Parece ter um grande interesse, uma tremenda necessidade de saber porque as pessoas não compreendem as Crianças Índigo. São Crianças computorizadas que vêm a este mundo com uma capacidade de visualização mental do que é bom. São crianças orientadas para a tecnologia, o que significa que vamos estar adquirir mais técnica do que a que temos agora. Estas crianças, com três ou quatro anos, lidam com os computadores de uma forma que um adulto de 65 anos não poderá fazê-lo. São crianças tecnológicas – nascidas para uma tecnologia que nem somos capazes de imaginar.
Chegaremos a um ponto em que nada terá de ser feito, excepto nas nossas cabeças. Esse é o seu propósito. O que vejo agora é que, em alguns casos, o meio ambiente em que estas crianças se desenvolvem os bloqueou de tal maneira que, por vezes, estas crianças chegam a matar. Porém, eu crio na seguinte paradoxo: Precisamos da escuridão e precisamos da luz para escolher. Sem a possibilidade de escolher não há crescimento. Se fôssemos robots não teríamos livre-arbítrio, nem teríamos poder de escolha: não haveria nada.
Toda a criação foi um processo de separação. Deus separou a noite do dia, a luz da escuridão, a terra do céu, o firmamento do ar, a terra das águas. Deus separou a mulher do homem e criou o feminino e o masculino. A norma da criação é a separação por escolha. Sem escolha não podemos crescer. Assim, o que vejo é que nos movemos entre extremos, especialmente na presente dimensão. Temos tido o mais santo dos santos e o mais mau dos maus. A maioria de nós encaixa-se a meio termo, esperando ser santa enquanto comete erros. O que vejo agora é que os extremos se integram mais. Quer o mais santo dos santos, quer o mais mau dos maus está entre gente mediana, e este equilíbrio está a alcançar um nível cada vez mais refinado.

Quando estas crianças chegam a estes extremos é porque conhecem muito bem o seu caminho, e, quando sentem que a sua missão está a ser bloqueada, tratam de se desfazer daquilo que eles acham que está a bloqueá-los. As Crianças Índigo, porém, não têm medo porque sabem quem são. Eles acreditam em si mesmos.
Cerca de 90% das crianças com 10 anos de idade (em 1998) são Índigos.
Basicamente, existem quatro tipos de Crianças Índigo, cada um deles com o seu propósito:

O primeiro é o Índigo Humanista, aquele que está destinado a trabalhar com as massas. São os médicos, os advogados, professores, comerciantes e políticos de amanhã. Eles servirão as massas, são muito hiperactivos e extremamente sociáveis. Eles falarão com toda a gente, sempre de forma muito, muito amigável. Têm pontos de vista muito definidos, com um corpo um pouco desajeitado e muito hiperactivos.
Uma ou outra vez irão embater numa parede porque se esqueceram de travar. Não sabem como brincar com um brinquedo, mas irão desmontá-lo e, depois, provavelmente, não voltarão a mexer naquilo. Se você quiser que eles limpem o quarto, vai ter que os lembrar disso muitas vezes, porque são muito distraídos.
Irão para o quarto e começarão a limpar até encontrarem um livro. Então, sentam-se a ler, porque são leitores incorrigíveis. Um dia, durante um voo de avião, uma criança de três anos estava a gerar algum bulício. A mãe optou por entretê-la com o panfleto de instruções de segurança. Então, a criança sentou-se com uma expressão de grande serenidade, e passou os olhos por ele como se estivesse a ler.
Estudou-o durante cinco minutos e, embora não soubesse ler, acreditava que sabia. Creio que este é um exemplo de Índigo Humanista.


O Índigo Conceitual está mais interessado em projectos do que em pessoas. Estes serão os engenheiros, projectistas, astronautas, pilotos e militares de amanhã. São crianças muito atléticas. São controladores e a pessoa que mais tentam controlar é o pai se de são meninas, ou a mãe se são meninos. Este tipo de Índigo tem tendência para a dependência, especialmente, drogas, durante a adolescência. Os seus pais devem vigiar apertadamente os seus padrões de comportamento. Quando eles começam a esconder coisas e a dizer algo como: “não vás ao meu quarto”, chegou o momento de a mãe começar a revistar toda a casa.


O Índigo Artista é muito sensitivo e o seu corpo é pequeno, embora nem sempre. Estão mais inclinados para a arte, são muito criativos, e serão os professores e os artistas de amanhã. A qualquer coisa que se dediquem, sempre estarão orientados para o lado criativo. Dentro do campo da medicina, serão cirurgiões ou investigadores; nas artes, serão actores. Entre as idades de 4 a 10 anos, envolver-se-ão, pelo menos, em 15 actividades criativas. Dedicarão 5 minutos a cada uma delas e logo a abandonarão. Assim sempre digo às mães de músicos e artistas: “não comprem os instrumentos, aluguem-nos”. O Índigo Artista poderá trabalhar com 5 ou 6 instrumentos diferentes, e só na adolescência escolherá um deles, convertendo-se então num verdadeiro artista.

O quarto tipo de Índigo é o Interdimensional. São mais altos do que os outros tipos. Quando têm um ou dois anos de idade, já você poderá dizer-lhes qualquer coisa, e eles responderão: “Sim, já sabia” ou “sim, sou capaz de fazer” Ou “ não me aborreças”. São eles que trarão novas filosofias e novas religiões a este mundo. Poderão tornar-se gabarolas e vaidosos porque são muito maiores e porque não encaixam em nenhum dos três tipos anteriores.
As crianças destes quatro tipos acreditam nelas mesmas. Não têm medo. Assim, quando vocês lhes diz que eles estão a fazer algo incorrecto mas eles acham que não, dar-lhe-ão a entender que você não sabe o que está a dizer. Desta forma, sugere-se aos pais que estabeleçam limites, mas sem lhes dizerem: “ Não façam isso!” Em vez disso, digam: “Olha, porque não me explicas por que queres fazer isso? Sentemo-nos e conversemos sobre o assunto. O que te parece que pode acontecer se fizeres isso?” Quando a criança responder com o que ela pensa que poderá passar-se, pergunte: “Está bem. E como julgas tu que vais controlar a situação?” Então, você ouvirá a forma como eles pensam que podem enfrentar a situação.
Você terá que deixar que o jovem Índigo faça o que pretende fazer; de outra forma não participará, irá retrair-se, a menos que se seja um Humanista, e não voltará a falar consigo acerca daquele assunto.
As Crianças Índigo devem ser tratados como adultos desde a mais tenra idade. Jamais os impeça de falar. Se o fizer, eles irão cuspir as palavras na sua cara. Eles não respeitam as pessoas por causa do seu cabelo cinzento ou rugas; você terá que ganhar o respeito delas.
Devemos aprender a ouvir as Crianças Índigo e a jamais mostrar autoridade. Permita que elas digam do que necessitam. Só então lhes explique as razões por que não poderá dar-lhes o que pedem ou porque é correcto que obtenham o que estão a pedir. Tudo o que elas precisam é de serem ouvidas; todas elas são muito abertas.
As Crianças Índigo são a ponte entre a terceira dimensão e a quarta. A terceira dimensão é a dimensão da razão, a dimensão do pensamento. A quarta dimensão é a dimensão do Ser. Passamos a vida a falar acerca do amor, da paz, do respeito, da felicidade, mas raras vezes os praticamos. Estamos melhorando aos poucos mas, na quarta dimensão, praticaremos. Estamos a começar a reconhecer que a guerra é estéril, inútil, e que oprimir alguém é somente outra forma de matarmos a nós mesmos.
Estas crianças já conhecem estes princípios.

Resignação e Passado

O passado sepulta o passado e deve terminar em silêncio, mas pode ser um silêncio consciente, que repousa de olhos abertos. Talvez seja isto a remissão final de que James falava.

(Iris Murdoch)

Constelações Familiares (Workshop)

O primeiro workshop (ABERTO) é dia 30 e 31 de Maio, no hotel Riviera em Carcavelos e acho que vale muito a pena pois ela também tem prática xamânica.

Abordagem Sistémico – Fenomenológico Integrativa – TSFI, que será orientado pela Alexandra Caymmi e terá início em Maio de 2009.

Para fazer a sua inscrição, agradecemos que responda para este email e para colocar dúvidas ou questões é só entrar em contacto.

Paula Matos –93 286 2390
Rita – 91 814 0907
Ver Pdf
Assunto Relacionado : Constelações Familiares

Uma espécie de pluralismo

"Carpe diem quam minimum credula postero." (Horácio)

Mais vida, menos plástico !!!

O resto da campanha, aqui.

Young Meager

Young Meagher’s Militant Guild of Rural Tailors seems to be a fashion line doubling as a museological collection of historical objects and textiles supposedly belonging to a revolutionary worldwide underground cult of rural tailors reaching back into early 19th C history. You can lose several hours if you fall into the web orbit of this extremely thoroughgoing narrative fantasy and its imaginary steampunkish realm. The combination of extremely high-quality tailoring (unfortunately only for men) and handcrafted fantasy props is, not surprisingly, very big in Japan, one of MGRT’s biggest markets. “Audiences” seems a more appropriate term than “markets,” because even though these clothes are commodities, they also seem part of a larger performance. The fact that these objects are presented as props and artifacts rather than as mere products seems to be a part of a rebellion against cheap meaninglessness of the commodity market and a hopeful alliance with quality and historical meaning, so that the company’s symbol - the hybrid brass knuckle scissors above - cleverly comes off as insignia rather than as a logo. As for the styles themselves, they seem to point to the American Civil War and more broadly to the 19th C in general, which seems to be a popular nostalgia at the moment and has ties to the eclectic antiquey references of steampunk. These photos are all from the Young Meagher website (be prepared for bleak, howling wind and antique train soundtracks) and their Flickr pool, which goes by the name Rural Tailor Research. Captions to photos below are from the Flickr pool.